território livre  |  2020

 

Série

PASSAGEM

 

 

A ideia de cruzar o trânsito dos rostos em retrato 3 x 4 (inicial e canonicamente como documento portátil) do pai do artista e dele mesmo, ganha dimensões e densidade e não só reporta certo calafrio visual quanto produz uma pregnância conceitual, na qual o rosto - a parte mais simbólica e porosa do corpo - se transveste de outro tempo, mais concretamente do tempo do outro, ainda que seja tão próximo e familiar, fruto da relação de ascendência/descendência. A confluência de características afins e não afins produz seu paradoxo em movimento, pois estamos vendo um retrato de retratos, um auto-retrato centrípeto, que se abisma para dentro – implode como pede o gênero quando não é blasé ou uma questão supérflua.

 

(trecho da apresentação. de Adolfo Monejo Navas, para a exposição da série Passagem, de Julio Castro).

Ed 7 Julio Castro 1 2020-08-05 at 18.39.29.jpeg
Ed 7 Julio Castro 3 2020-08-05 at 18.40.21.jpeg
Ed 7 Julio Castro 5  2020-08-05 at 18.41.04.jpeg
Ed 7 Julio Castro 8 2020-08-05 at 18.41.47.jpeg
Ed 7 Julio Castro 10 - 2020-08-05 at 18.42.27.jpeg
Ed 7 Julio Castro 2 2020-08-05 at 18.40.00.jpeg
Ed 7.jpg
Ed 7 Julio Castro 6 2020-08-05 at 18.41.28.jpeg
Ed 7 Julio Castro 9  2020-08-05 at 18.42.08.jpeg
Ed 7 Julio Castro 11 - 2020-08-05 at 18.42.43.jpeg

 

Julio Castro

Artista plástico

estudiodezenove

Rio de Janeiro

 

 

agosto 2020